26.5.13

Dos "facilitadores"...

Há quem deseje as facilidades
Como há os que querem as facilitações
Com nenhum destes me importo
Dede que busquem e mereçam, sem ninguém prejudicar

Mas torno-me um indignado
Com os "facilitadores"
Não estes que querem
Mas aqueles que apenas fazem, o fácil.

Aqueles sangue-sugas egoístas
Vazios de solidariedade
Ocupados por um enxame de abelhas
Que cegam, ensurdecem e emudecem

São pesos inúteis e difíceis de carregar
Mas que apenas carregados saem do lugar
Espíritos mesquinhos e pequenos
Típicos do covarde ao vacilar

Quando crianças, sabíam
Que pelo caminho fácil, o lobo encontrariam
E quando adultos, esquecem
Quando pode já não haver um caçador a lhes salvar.

20.5.13

Do que permanece...

No amor há daquilo do mágico
Como o impossível feito simples
Que encanta ao revelado

Do que é capaz de perdurar
Mesmo após o intentado
E deixa seus vestígios, nos olhos deslumbrados

Como a mágica que acabou
E a tudo transformou... Vestido e carruagem
Mas o sapatinho, lembre, este ainda ficou.



3.5.13

Da amizade...

Com o tempo, nos juntamos
E a cada dia, em cada novo reencontro
Refirmamos, no sentimento não dito
A força daquilo que criamos

As vezes não é possível o contato
O tempo, torna-se escasso
Mas o fantástico então se mostra
Pois não era preciso o dia-a-dia nem a troca

Alguns, chegam sem avisar
Fazendo verdadeiro estardalhaço
Naquilo que antes parecia
Nem haver mais espaço

Mas sempre há, e sempre haverá
No íntimo e no escrachado
Das formas mais estranhas de embaraço
A pura certeza do que é amado