4.2.13

UM CHAMADO A JUVENTUDE DO PT


*Patrick Campos

Em nossa história, que tem como marca registrada lutas e resistências, novos capítulos vêm sendo escritos. Desta vez, ou melhor, mais uma vez, um diminuto grupo de novos poderosos conseguiu acumular forças para submeter à grande maioria a sua vontade. Uma desproporcional e ameaçadora força econômica, que se impõe a política, as leis e até mesmo a justiça. 

Nestas circunstâncias, onde a democracia decai e se desvirtua para a demagogia, um chamado a classe trabalhadora pernambucana se faz indispensável. Primeiro, reconhecendo que na batalha diária da luta de classes, apenas a nós podemos contar como companheiros. Segundo, identificando e reconhecendo a existência dos nossos inimigos, mesmo quando estes parecem estar ao nosso lado.

Nesta batalha campal, de desdobramentos imprevisíveis, a juventude deve cumprir um papel estratégico e decisivo. Nunca foi nossa característica a submissão e a complacência. Não é agora que estas nefastas características devem nos surgir. Mesmo com as grandes dificuldades impostas pela lógica do sistema, os momentos de dificuldade devem ser também momentos de aprendizado.

Do que basta

"Que sempre nos baste o conforto da simplicidade, para assim, não cansarmos em nenhuma luta".