31.5.09

Poema: Adolescência

Adolescência

Olhar a foice e o martelo

fazia-me sentir grande…

Aí o mundo vinha, subia, encharcava-me

como baleia soberba, obesa,

jogava-se úmida, sebosa

e cheia de pelancas

sobre a novidade de meus braços.

E não aguentava

e era fraco

e não era devasso.

e era pequeno,

e tão pequeno,

e tão miúdo

e de tamanho assim mundano

de tão distante…

(Danilo Vilela)

13.5.09

Realizado... Eliminado... Mas realizado

Acabou.

Chegamos até onde a vontade nos permitiu. E valeu a pena.
Sem ajuda.
Sob a desconfiança de muitos. Conseguimos enfretar e vencer.
O que ocorreu foi uma eliminação, não uma derrota.
É chato, machuca, mas não o suficiente para enconbrir nossa grandeza.
Como torcedor do SPORT CLUB DO RECIFE, sou realizado.

Parabéns, pelos 104 anos.

"Com meu Sport eternamente estarei, pois, rubro-negras são as cores que abraçei"

Abraço.

10.5.09

São pequenas, as grandes coisas

Olá...

Foi uma sábado que tinha tudo para ser como diversos outros.
Não foi.
É incrível que coisas como assistir a uma peça, sentar num barzinho, e comer sentado na areia da praia a noite, façam a gente se sentir tão bem.
Os textos encenados eram de Nelson Rodrigues, O Reacionário. Um anti-marxista ferrenho, mas que conseguia, do seu jeito reacionário, postar-se como um verdadeiro libertário.
Por falar em libertário, no barzinho que seguiu-se após a peça, em meio a conversas e goles de alguma coisa que eu não sei o nome, as horas passaram rápido. Assim como os olhos daquela nova-iorquina da mesa de trás passaram pelos meus. Dessa vez, os argentinos se deram melhor.
Mas, nada como um fim de noite com um belo sanduiche. Ainda mais, quando ele é degustado nas areias da praia da barra. Em uma noite sem estrelas, mas com uma lua imponente. Suficiente para enlouquercer alguém, a ponto de se jogar na água e nadar como se nada mais importasse.
Bem... Esse nãao fui eu.

Um abraço.

PS: Companheiro Victor, parabéns e... feliz aniversário.

8.5.09

Vamos SPORT

"NO CAMINHO É QUE SE VÊ.
QUE A ILHA É MELHOR PRA JOGAR
VOU TORCER PRO SPORT VENCER
VAMOS SPORT, VAMOS PRA CIMA, VAMOS GANHAR E FAZER A ILHA FERVER!"

3.5.09

Fortalecer o PT para mudar a UNE

Texto do Companheiro Bruno Elias

http://www.reconquistaraune.com.br/2009/04/27/fortalecer-o-pt-para-mudar-a-une/

A realização do Encontro Nacional dos Estudantes do PT e o início das eleições de delegadas/os ao Congresso da UNE estimularam um debate importante no partido. Trata-se, afinal, de debatermos sobre o papel político a ser jogado pela juventude do PT na construção de uma UNE e um movimento estudantil democrático, de lutas e que estejam à altura dos desafios colocados para a esquerda no próximo período.

Colaborando com este debate, os companheiros Rafael Chagas, da executiva da UNE e Joaquim Soriano, da executiva nacional do PT, apresentaram em recente artigo a opinião de que frente a tais desafios, a juventude do PT deveria, no próximo Congresso da UNE, construir com as juventudes do PCdoB (UJS) e do PSB o que eles chamam de “unidade da esquerda na UNE”.

Consideramos esta opinião parcialmente correta. Ela acerta quando aponta a necessidade de unidade, mas erra quando propõe um tipo de unidade que bloqueia as mudanças necessárias para que a UNE esteja a altura dos desafios contemporâneos. Na nossa opinião, a unidade que mais contribui é a unidade do PT e dos demais setores que pautam a democratização da UNE, impulsionando uma alternativa política para a UNE e para o movimento estudantil.


2010 e os próximos anos


O próximo congresso e gestão da UNE se situarão num ambiente de crise mundial, cujo desfecho dependerá da mobilização massiva dos trabalhadores e da juventude.


As classes dominantes, em resposta a atual crise, querem socializar os prejuízos. Na educação, isto se traduz na pressão por cortes dos investimentos públicos em educação, bem como nas propostas de socorro aos tubarões de ensino, nas demissões, atrasos salariais e aumento de mensalidades nas escolas privadas.


Contra a política das classes dominantes, é certo que há inúmeros pontos de contato e unidade com as posições de outras juventudes partidárias. Inclusive no tocante as eleições de 2010.


No caso da UNE, no entanto, esse exercício deve ir além da retórica ou dos projetos comuns de resolução nos fóruns da entidade, já que na vida real a direção majoritária da UNE tem optado pela política do “vale mais um mau acordo do que uma boa briga” com os tubarões de ensino, reitorias e, inclusive, contra medidas governamentais conservadoras.


O PCdoB e seus aliados na UNE tentam muitas vezes reduzir as discussões sobre o papel do movimento estudantil na atual conjuntura, a uma polarização entre os favoráveis e os contrários ao governo Lula. Para justificar uma política de alianças, que não raro inclui a direita, superestimam as posições da ultra-esquerda – amplamente minoritária na base do movimento.

Tal polarização, além de artificial, acaba resultando no seu contrário, pois dá palanque ao esquerdismo, tornando mais difícil a posição daqueles que apóiam o governo, mas não aceitam uma UNE chapa branca.

A situação do movimento estudantil e da UNE

O que também exige uma discussão fundamental, porém escapa à avaliação do texto dos companheiros da Democracia Socialista, é a situação atual do movimento estudantil.

Partimos de uma avaliação menos ufanista da atual situação da UNE e do movimento estudantil brasileiro.

Para além dos impactos do conservadorismo ideológico e do refluxo do movimento de massas, acreditamos que a UNE e o ME vivem um momento de profunda dispersão, tencionada por uma crise presente de legitimidade e representatividade perante sua base social.

Além disso, a UNE e o conjunto do movimento estudantil não tem conseguido acompanhar as profundas mudanças ocorridas no perfil da juventude, dos estudantes e da educação superior. O ME, embora seja ainda o movimento juvenil mais organizado do país, está longe de ser a única expressão organizada da diversidade da juventude brasileira.

Compreender essas mudanças é fundamental para darmos lastro a uma pauta e agenda política que se identifiquem com a realidade dos estudantes. Se a sociedade mudou, a universidade mudou e os estudantes mudaram, porque o movimento estudantil deveria se organizar da mesma maneira? Recolocar o ME e a UNE a frente de grandes lutas no país exigirá um diagnóstico sério sobre essas e outras questões.

Todas as forças que dirigem a UNE são responsáveis pela sua incapacidade em enfrentar estes problemas. Mas, convenhamos, a responsabilidade do PCdoB e da União da Juventude Socialista e aliados é proporcional ao peso que eles possuem na direção da entidade.

Não estamos entre aqueles que consideram que a UJS é o “mal” do movimento estudantil. Contudo, ao ser fiadora de uma cultura política e de organização que imprime à ação das entidades uma orientação defensiva, institucionalizada e distante de sua base social, essa organização não ajuda a retomarmos o protagonismo da UNE e do movimento estudantil.

A tímida referência de Chagas e Soriano aos “avanços” da entidade indica tão somente o que todos já sabem: no essencial nada mudou. Ou seja, a relação da UNE com o conjunto do ME enfrenta limites cada vez maiores, sua linha política continua conciliatória e o controle da entidade permanece centralizado.

Construir uma nova direção para o movimento estudantil é, por óbvio, muito mais do que derrotar uma direção majoritária. Mas achamos impossível construir uma “nova” hegemonia, a partir de uma composição com a “atual” força hegemônica. O máximo que se pode conseguir, através deste caminho, é participar da maioria, não mudar a sua direção.

Nossa defesa da UNE é combinada com a defesa de mudanças profundas na condução e organização da entidade. No caso dos jovens petistas, essa defesa deve contribuir para elevar o nível de consciência dos estudantes, combatendo os autonomismos, a falta de referência partidária, o movimentismo e combatendo igualmente as práticas aparelhistas. Com a diferença que nós nunca patrocinamos, nem patrocinaremos, a divisão das entidades de massa, a exemplo da saída da CUT impulsionada pelo PCdoB.


O momento da juventude do PT


O I Congresso da Juventude do PT foi um espaço privilegiado de debate e reflexão sobre a intervenção dos jovens petistas nos movimentos sociais, dentre os quais o movimento estudantil universitário. Nosso Congresso reconheceu de maneira acertada em suas resoluções que se “levarmos o problema de organização da juventude para nossa intervenção nos movimentos juvenis, a situação é aquém da capacidade de mobilização real do PT. Hoje, não conseguimos ocupar em nenhuma das frentes de luta dos movimentos juvenis uma posição de centralidade. Atuamos de maneira fragmentada e, em geral, levando as disputas internas para o seio dos movimentos.”

No movimento estudantil, essa fragilidade é muito presente. A atuação dos petistas enquanto “frente de tendências” – e por vezes, de interesses - nos coloca em posição subalterna à política de outras organizações juvenis e fragiliza a presença dos petistas, subrepresentados nas direções das entidades gerais.

Superar essas debilidades e construir uma identidade do petismo nos movimentos juvenis não se confunde com ingerência na autonomia dos movimentos, que historicamente defendemos. O papel que cabe ao partido e é reiterado pelos fóruns da JPT, respeita e valoriza a autonomia do movimento estudantil, submetendo suas propostas à deliberação democrática das organizações estudantis.

Por esses motivos colaboramos ativamente com a construção vitoriosa do último Encontro Nacional dos Estudantes do PT que, mobilizando 24 estados entre plenárias e encontros regionais, apontou uma plataforma e um plano de ações comuns para a juventude do PT no movimento estudantil.

Neste ENEPT pudemos perceber que há espaço para outra política no movimento estudantil e que os jovens petistas estão dispostos a dar sua contribuição. Curiosamente, companheiros que tanto resistiram em debater com a base e com os estudantes do PT nestes espaços a atuação dos petistas no Congresso da UNE, hoje são defensores dedicados de determinada tática e política de alianças para o conjunto da juventude partidária.

Por fim, saudamos a iniciativa do debate. Reitera, mesmo com as diferentes posições internas em nosso partido, a importância da UNE na luta política e para os petistas. Com o mesmo afinco que queremos uma juventude petista enraizada na classe trabalhadora, organizada para além do ME, devemos reconhecer que na organização da luta dos estudantes o PT dá grande contribuição a este que é um dos principais movimentos juvenis do país.


Bruno Elias, 1º vice presidente da União Nacional dos Estudantes.

1.5.09

Esquerda Reafirmada

O texto é longo, mas muito bom e importante.

fonte: http://panscopia.wordpress.com/2009/04/12/esquerda-reafirmada/

Esquerda Reafirmada

Tarso Genro e Vinicius Wu publicaram, no dia 10 de Março de 2009, um artigo no site nacional do Partido dos Trabalhadores intitulado “Esquerda renovada”, tendo por objetivo apresentar, como transmite a mensagem de seu subtexto, “Subsídios para uma nova ação estratégica do PT”. Afirmamos que a estratégia proposta por eles traz possibilidades desastrosas para o Partido dos Trabalhadores. É a prova viva, palpável, de que o espelho da esquerda, mais freqüentemente e amplamente do que aceitamos, tem o reflexo único da classe burguesa-capitalista, apesar dos pretensos “socialismos” espalhados como vírgulas. Explicaremos o porquê.

ESQUERDA REAFIRMADA

Tarso Genro e Vinicius Wu publicaram, no dia 10 de Março de 2009, um artigo no site nacional do Partido dos Trabalhadores intitulado “Esquerda renovada”, tendo por objetivo apresentar, como transmite a mensagem de seu subtexto, “Subsídios para uma nova ação estratégica do PT”.

Estamos certos de que, por ser uma estratégia que está sendo proposta ao PT e a todos nós, petistas, devemos nos posicionar, seja para nos situarmos contra ou a favor àquilo que se entende constituir a via para o socialismo. Não foi senão sob esse propósito que eles decidiram compartilhar conosco suas preocupações sobre os rumos do PT nos próximos anos, e reconhecemos que é sempre meritório fomentar o debate. Contudo, não podemos nos esquecer de observar que Tarso Genro e Vinicius Wu alinham-se ao campo Mensagem ao Partido, que no seu interior arregimenta tendências do PT, entre as quais a Democracia Socialista. O que eles dizem, assim, é a expressão não somente das concepções de cada um, mas sim de um grupo organizado e suficientemente autônomo para desenvolver uma elaboração teórica própria.

Motivou-nos escrever este artigo a percepção de que palavras não são simples palavras[i]. Desvendar tudo que vem do “lado de lá” - ou seja, do campo contrário a qualquer ruptura da ordem estabelecida - é necessário para a construção de alternativas autênticas e coerentes que levem a uma formação social sem classes sociais.

E é a partir desta percepção que afirmamos: a estratégia proposta por eles traz possibilidades desastrosas para o Partido dos Trabalhadores. É a prova viva, palpável, de que o espelho da esquerda, mais freqüentemente e amplamente do que aceitamos, tem o reflexo único da classe burguesa-capitalista, apesar dos pretensos “socialismos” espalhados como vírgulas. Explicaremos o porquê.

TRABALHO DE SÍSIFO

Na mitologia grega, Sísifo foi considerado o mais astuto dos mortais. Ousado e possuidor de grande esperteza, enganou e desafiou o poder dos deuses a cada vez que escapava da morte. Tanta audácia provocou a ira de Zeus - deus supremo -, que o enviou ao inferno. Lá, Sísifo foi condenado por toda a eternidade a rolar uma grande pedra até o cume de uma montanha. Nunca conseguia completar o trabalho, já que por uma força irresistível a pedra rolava abaixo.

O direcionamento proposto por Tarso Genro e Vinicius Wu levará o Partido dos Trabalhadores a desempenhar um papel que lembra a imagem de Sísifo, e de forma invertida psicologicamente. O partido não empurrará a pedra como castigo de sua “personalidade ousada”, mas acreditará fielmente em seu esforço; a classe capitalista não irá reprimir nosso partido devido às suas tentativas de transformação, e sim estará aos risos a cada vez que a pedra - a acumulação de capital - rolar a montanha, de forma acelerada. Por que isso ocorreria?

É na introdução do artigo (”Uma nova estratégia”) em que se revela a principal tese dos autores, presenteando-nos abertamente com orientações teóricas esclarecedoras de seu rumo conservador:

“Uma estratégia política socialista, conduzida por um partido de esquerda nos dias de hoje, deve recuperar os valores tradicionais da social-democracia pré-bolchevique e do socialismo democrático europeu e latino-americano¹ - república, igualdade e afirmação de direitos - atualizá-los e vinculá-los aos interesses concretos e às demandas políticas dos grupos e classes sociais, para as quais o crescimento econômico e a distribuição [de] renda são uma necessidade ou uma exigência.”

Ganhamos um presente; mas precisamos retirar o laço e o papel de embrulho. O que é exatamente a “social-democracia pré-bolchevique”? Em que contexto mais amplo estão inseridos os valores citados? Tomando-se como referência o período entre a morte de Friedrich Engels (1820-1895) e a Revolução Russa (1917), encontramos Eduard Bernstein (1850-1932) como um dos grandes expoentes dessa corrente não-revolucionária. Estabelecido esse marco, podemos recorrer ao seu pensamento para entender o que Tarso Genro e Vinicius Wu estão propondo:

“Segundo a elaboração teórica bernsteiniana, dever-se-ia empreender um esforço de revisão e correção3 das teses enunciadas por Marx e Engels. Haja vista que o capitalismo teria demonstrado uma grande capacidade de adaptação e estabilidade, comprovada pela ausência de crises e pela crescente democratização do Estado Liberal de Direito, a hipótese determinista que previa o colapso inevitável do sistema deveria ser descartada. Conseqüentemente, caberia aos socialistas a renúncia da ‘utopia revolucionária’ e a adoção de estratégias políticas que permitissem, no interior do sistema democrático capitalista, a conquista gradual de melhorias para as classes trabalhadoras. Estas medidas levariam enfim o Estado à perda de seu caráter de classe, assumindo a defesa do ‘interesse geral’ (Bernstein, 1982).” [ii]

E mais à frente:

“De acordo com a teoria bernsteiniana, a utilização dos princípios da filosofia da história de Hegel [concepção dialética] levaria em último caso à justificação do emprego da tática revolucionária através da força. Neste aspecto, o marxismo estaria ainda estreitamente vinculado ao blanquismo, no que tange à sobrevalorização da força criadora da violência revolucionária e à idéia de conquista do poder político através de golpes revolucionários (Bernstein, 1982). Amparando-se na última obra de Engels, a introdução elaborada em 1895 à ‘Luta de Classes na França’, Bernstein manifesta abertamente seu repúdio à via revolucionária, defendendo firmemente o reformismo e o papel da atuação parlamentar e sindical na consecução dos objetivos da classe operária.” [iii]

De fato, o presente recebido bem se relaciona com o mito, já que lembra a conhecida expressão “presente de grego”.

Os valores de “república” e “igualdade” devem nortear uma ação que não deixe as classes sociais em luta, mas sim que se unam em prol da “nação”. Ou seja, deve-se elaborar uma estratégia não-revolucionária, em torno da suposta possibilidade de fortalecimento do Estado de Direito, que levaria a uma aproximação entre as classes. Temos aí, pelo menos, duas ilusões: a crença em um movimento de tipo “evolucionismo social atualizado” [iv]; e a pretensão de ser uma renovação da esquerda.

Quanto à primeira, podemos depreender o seguinte: todas as dificuldades que a humanidade já enfrentou, e enfrenta, têm suas razões decorrentes de sentimentos individualistas e egoísmos; contudo, se construirmos um sentimento de “identidade nacional”, havendo cooperação entre classes, dentro de uma “democracia substancial”, chegaremos ao socialismo. Pronto, muito fácil.

Diz-se “atualizado” por referir-se à operação lógica de revisitar o estatismo[v], herdado de uma orientação socialista revolucionária, mas que agora se expressa numa necessidade de se diferenciar dos tucanos, opondo-lhes um projeto que, em seu limite, é pós-neoliberal. Ou seja, mantém-se ainda limitado aos marcos da produção capitalista: como obviamente se pode imaginar, essa evolução ao socialismo não aconteceria livremente, necessitando-se, pois, de um Estado sólido, que regule o mercado, com o aproveitamento do seu “potencial positivo”, prevenção dos “abusos” dos banqueiros e implementação de políticas que “aproximem as classes sociais” [vi]. Aqui, qualquer relação entre essa ideia e a insígnia “ordem e progresso” (ou seja, o progresso só é possível mantendo-se a ordem), proclamada pelos positivistas e cravada em nossa bandeira não será mera coincidência.

Por muitos anos, e a isto se assiste ainda hoje, nas salas de aulas dos cursos ligados às ciências humanas e sociais, a concepção dialética em Marx, trazida ao materialismo histórico, foi vulgarmente criticada por implicar um determinismo do triunfo do proletariado sobre o capital. Correspondendo ou não à verdade, não é determinismo maior a ideia de que é possível haver um “evolucionismo social”?

Independente da possibilidade do movimento de evolução, o horizonte que se têm em vista é inalcançável. Isso porque a ideia que temos hoje de “república”, de “democracia”, inclusive de “Estado”, é a ideia realmente existente, não sendo de maneira alguma possível ressignificá-la senão através de uma intervenção na gênese do real, isto é, na origem de toda relação social pela qual o conhecimento vem a ser apropriado.

Haverá quem diga que estamos distorcendo o que os autores propõem, e associá-los ao liberalismo é mero artifício intelectual, exercício de retórica, verborragia ou mesmo, digamos, “diletantismo acadêmico”. Porém, reparem no trecho primeiramente citado; fala-se de “interesses concretos (…) dos grupos e classes sociais, para as quais o crescimento econômico e a distribuição [de] renda são uma necessidade ou uma exigência”.

A ausência de qualquer referência específica à classe trabalhadora, ou ainda às classes trabalhadoras, não pode, de maneira alguma, ser considerada por acaso. Essa omissão significa declarar uma opção política, ainda que processada inconscientemente. Afinal, é óbvio que crescimento econômico não é necessidade ou exigência apenas da classe trabalhadora; os capitalistas auferem muito mais lucros em momentos de crescimento, e um melhor nível de distribuição de renda aumenta a quantidade de pessoas com poder de consumo, sendo este necessário à própria realização cíclica de capital.

Assim, fica clara a segunda ilusão, a pretensão de esses subsídios orientarem uma renovação da esquerda, já que transitam entre o projeto das revoluções burguesas e a submissão do socialismo a esse mesmo projeto, via personalidades como Eduard Bernstein e Karl Kautsky (1854-1938).

TOQUEM A NONA SINFONIA AÍ

Nada disso, portanto, vem ao acaso. Assim é que as concepções da “nova ação estratégica” pretendem estar amparadas na realidade, numa aparente mudança das configurações e relações de classe no Brasil.

Exemplo claro disso é o tópico por cuja leitura se percebe algo que inspira a preocupação dos autores. Ele intitula-se “A nova ‘Questão Democrática’ as novas classes médias no Brasil” e pode ser resumido nos seguintes trechos:

“As ações de governo do Presidente Lula vêm mudando, internamente, as classes e as relações entre os diversos segmentos sociais no país. Além das classes e setores de classes tradicionalmente existentes na nossa formação social capitalista emergente e dependente, [...] surgem novos grupos sociais no entorno e no interior das classes trabalhadoras e das tradicionais ‘classes médias’. Alguns destes setores já são chamados de ‘nova classe média’ [...] Dentro destas novas classes emergentes e grupos sociais renovados, no interior das classes sociais tradicionais (também tocadas economicamente e culturalmente por estas mudanças) já existe uma disputa política e ideológica - espontânea ou deliberada - sobre os rumos da sociedade brasileira atual. [...] A disputa, na verdade, é pela apropriação dos frutos da democracia, sobre o ‘valor’ - econômico e social - da preservação ambiental e sobre a qualidade de vida nas grandes regiões metropolitanas”.

E conclui no tópico seguinte, “O futuro da Revolução Democrática: apontamentos para uma nova síntese programática”:

“Novos sujeitos sociais despontam no cenário político nacional. Sua efetiva integração à democracia brasileira será um elemento decisivo para a renovação da utopia democrática que deu origem à vitória eleitoral das forças populares em 2002 e 2006″.

Isto é, um dos motivos por que seria necessária a “nova ação estratégica” para o PT, retomando o primeiro enunciado do trecho anterior, residiria nas “[...] ações de governo do Presidente Lula [que] vêm mudando, internamente, as classes e as relações entre os diversos segmentos sociais do país”.

Há muitas controvérsias a respeito do que Genro e Wu compreendem por classes sociais. Em linhas gerais, partindo-se de uma simples pergunta, “o que é classe social?”, podemos identificar as posições de um e de outro:

“[...] perante o sistema capitalista, a convicção sobre sua transitoriedade e o objetivo procurado pela análise. Há os que querem entender o funcionamento do sistema para flagrar suas fragilidades e lutar para superá-lo. O objetivo de outros é compreendê-lo para melhorar sua defesa e manutenção. E há aqueles que querem conhecer as tendências da opinião pública para melhorar o desempenho eleitoral ou vender melhor um produto” [vii].

Entendemos que o Partido dos Trabalhadores é um partido socialista, e como tal deve figurar entre aqueles que buscam “entender o funcionamento do sistema para flagrar suas fragilidades e lutar para superá-lo”.

Porém, o conceito de classe, embora pareça substancializar um conteúdo decisivo para os que lutam pelo socialismo, não é suficiente para a compreensão do sistema no seu todo. Prova disso é a própria banalização do conceito, que acontece nas palavras de Tarso Genro e Vinicius Wu, confundindo classe social e relações de classe, com os chamados “grupos de status”, separados uns dos outros pelos seus níveis de renda, excluindo os antagonismos realmente existentes entre setores cuja principal diferença reside no lugar que ocupam num sistema de produção social[viii] historicamente determinado, na mesma medida em que permite igualá-los de acordo com critérios de renda, acesso a bens e grau de escolaridade. A classe média, então, define-se:

“[...] como aquela que espera uma posição melhor no futuro e planeja sua vida nesse rumo. [...] Essa é a origem de ferramentas conceituais das quais o Critério Brasil é um exemplo, em que o acesso a bens, renda e educação leva à soma de pontos que define a classe [...] A partir daí foi desenvolvida a teoria econométrica, supostamente objetiva, que fundamenta a diferenciação em níveis de consumo A, B, C, D e E, utilizada pelos institutos de pesquisas e popularizada pela imprensa.

Essas definições de classe social têm dois defeitos fundamentais. Um é o seu subjetivismo; outro, um objetivismo arbitrário, baseado no acesso aos serviços e bens de consumo ou numa característica mutável que é a profissão. A esfera da distribuição das mercadorias é posta no centro da análise, desconsiderando a posição das pessoas nas relações sociais de produção que geram as riquezas e determinam a cota de cada um em sua distribuição.” [ix]

O corte produção x distribuição não é apenas uma falha no método. Trata-se de uma entorse cavalar na apropriação do conhecimento teórico. É problema de forma, de conteúdo, que desemboca num problema aborrecedor de concepção. O que é pior: todos esses equívocos se expressam sob a forma de deliberada opção teórica.

Genro e Wu admitem que as diversas expressões do conjunto social, inclusive aquelas que caracterizaram e conformaram os governos democráticos desde a consolidação da burguesia no poder político e econômico na história da humanidade, i.e., final do século XIX e início do século XX, realmente apareçam ao “indivíduo” como simples meios de realizar seus fins privados.[x]

Assim, numa produção (e distribuição) desregulada, as pessoas permitir-se-iam toda classe de arbitrariedade, necessitando regular a distribuição de bens, separando-a da própria produção, para que o direito de força enfim sobreviva na forma de democracia, ou “Estado Democrático de Direito”. Tal não é senão uma concepção política do liberalismo clássico, já criticada por Marx em 1857[xi].

Pode parecer paradoxal situarmos a orientação deles primeiro, como expressão de uma socialdemocracia pré-bolchevique, e agora, do liberalismo clássico. Mas, de fato, é assim que a coisa se dá.

Uma estratégia socialista por transição - e não por ruptura, que é um dos principais elementos que eles desejam eliminar das elaborações de parte da esquerda - não tem uma unidade interna autônoma, que supere o liberalismo. Ou seja, por não compreender a natureza de uma sociedade fendida, dividida, partida em classes sociais, e a luta entre elas, expressa das mais variadas formas, essa estratégia linear baseada na progressão, nas conquistas graduais, enfim, na evolução social mediada por um Estado sólido, seja na forma de instituições democráticas consolidadas, seja numa economia participativa, não atinge nenhum modelo societário no qual tenha fim a exploração humana por si mesma.

No limite, o ânimo de Genro e Wu diante do crescimento da classe média, da emergência de “novos sujeitos políticos e sociais”, ampliação do acesso a bens e serviços, pode ser interpretado na convicção de que essa será uma tendência natural do curso da sociedade capitalista, caso esta se mantenha alinhada ao eixo da dita “revolução democrática” e as forças políticas que venham a apoiá-la. Um raciocínio equivocado, já que a existência de uma ampla massa de consumo só reinjeta combustível à realização cíclica de capital:

“‘Para crescer em bases sólidas e de forma sustentada [...], uma economia precisa ser puxada pela classe média. [...] É isso o que interessa no argumento: trata-se da mudança capitalista da sociedade, que incorpora uma massa vista como capaz de dar garantia, consistência e segurança para o sistema. [...] Na medida em que o capitalismo desenvolve suas forças produtivas, essa classe aumenta em tamanho e influência’, diz Swingewood (Marx e a teoria social moderna, Civilização Brasileira, 1978)” [xii].

Por certo, aliás, que se advogássemos aqui um socialismo que se desvincula de todo e qualquer elemento do sistema liberal estaríamos na própria lógica do argumento evolucionista. Numa compreensão dialética da história sabemos que elementos anteriores reaparecem posteriormente, em novas sínteses. Contudo, nossa exposição tem mostrado que não há esse movimento; o que há é apenas uma tentativa de síntese entre um liberalismo político e um anti-liberalismo econômico.

Socialismo não é o conceito de Tarso Genro, ou de Vinicius Wu, por mais que apresentem como algo que queira ser diferente. Socialismo é conceito porque é histórica e socialmente determinado; ele é o que significa porque, como conceito, ideia, palavra, reúne significados no seu entorno, e ao fazê-lo só reassume sua forma de signo, linguagem, que não existe senão em sua forma social. Tranquilamente, e “sem medo de ser feliz”, portanto, reafirmamos que socialismo, em primeiro lugar, é socialização dos meios e instrumentos que, sob o controle da propriedade privada, dirigem a atividade produtora e reprodutora de vida, qual seja, a produção social. E ponto.

Porém, ardorosos dirigentes do campo “Mensagem ao Partido” realmente crêem na cisão entre o concreto e o abstrato, autonomizando o pensamento, assim como “Hegel [que] caiu na ilusão de conceber o real como resultado do pensamento que, partindo de si mesmo se concentra em si mesmo, se aprofunda em si mesmo e se movimenta por si mesmo” [xiii]. Em outras palavras, não compreendem o campo político como expressão, como “cara”, do campo das relações econômicas, onde é definido o que e como será produzido o que a humanidade precisa para sua continuidade; pelo contrário, é como se política e economia pudessem ser definidas independentes uma da outra. Tal idealismo ganha voz em outro artigo, sendo um dos autores o próprio Vinicius Wu, nesta passagem:

“[Valter Pomar] não diferencia liberalismo econômico de liberalismo político. É reducionista na tentativa de ser convincente. Produz confusões - talvez intencionais. Argumenta contra o liberalismo ético e o republicanismo como se Milton Friedman e Norberto Bobbio pertencessem a um mesmo campo!” [xiv]

Em outras palavras, não compreendem o campo político como expressão, como “cara”, do campo das relações econômicas, onde é definido o que e como será produzido as mercadorias que vem garroteando, entre tempos e crises, as possibilidades de emancipação da humanidade; pelo contrário, é como se política e economia pudessem ser definidas independentes uma da outra.

A insuficiência do raciocínio é patente; fica clara quando, indignados, opõem Friedman e Bobbio. Para as análises que, paradoxalmente, mantêm-se na superfície da realidade, a distinção entre ambos é óbvia e profunda. Por outro lado, quando a análise se estende como exige o rigor científico, concluímos que Bobbio, conhecido por sua proposta de um “socialismo liberal”, pode opor-se a um monetarismo e à supremacia do mercado “autorregulado” [xv], mas de forma alguma nega o capitalismo, assim como também não o faz, muito pelo contrário, Milton Friedman. Perry Anderson, historiador marxista inglês, escreveu que:

“A aceitação de um regime democrático pressupõe a aceitação de uma ideologia moderada’, declara ele [Norberto Bobbio]88. Porque ‘decisões da maioria numa ordem política baseada no sufrágio universal permitem alterações no sistema, mas não permitem uma alteração DO sistema’89. A permanência do capitalismo como ordem social torna-se, em outras palavras, uma premissa de qualquer participação efetiva no estado representativo. (…) Acerca dos dois problemas - ‘quem governa e como governa?’ - Bobbio declarou sem maiores cerimônias em 1975: ‘não é possível haver dúvidas de que o segundo sempre foi mais importante que o primeiro’91. SEMPRE. Em outras palavras, o que importa não é qual classe domina, mas a maneira como domina. Neste ponto torna-se manifesta a opção de Bobbio, ao nível mais profundo, pelo pólo liberal de seu pensamento. Pela mesma razão, das duas críticas da democracia representativa presentes em seus escritos, a conservadora, e não a socialista, pesa mais no final. Em seus escritos mais recentes, essa crítica chega a tender - numa imagem bem conhecida - a transformar-se numa apologia perversa. Assim, transformando a necessidade em virtude, Bobbio pode escrever: ‘A apatia política de modo algum é sintoma de crise num sistema democrático; geralmente é sinal de boa saúde’92. Ela significa uma ‘indiferença benévola’ em relação à política enquanto tal, fundada no bom senso.” (destaques nossos)[xvi].

Portanto, sem “provocar confusões” ou sermos “reducionistas”, afirmamos: não existe, a não ser como operação intelectual, o liberalismo político e o liberalismo econômico, e suas respectivas antíteses. Como se isso ainda não bastasse, deixando a esfera da circulação (monetarismos, financeirismos, etc.), e adentrando a esfera produtiva, afirmamos também que Bobbio e Friedman pertencem a um mesmo campo: o liberalismo.

CAIXA DE PANDORA OU CANTO DO CISNE?

Por tudo isso, estamos convictos de que os “Subsídios para uma nova ação estratégica do PT”, não contribuem para reconduzir o nosso partido para um caminho de resistência contra o capital, tampouco para a sua superação.

Nem de longe pode ser ela considerada uma “estratégia política socialista”, ainda que no final do artigo se assista ao desespero de reiterar a palavra “socialismo”, na mesma aflição com que se tenta ressignificar valores como “democracia” e “igualdade” somente pelo uso da abstração, sem para isso interferir nas formas significantes da atividade econômica[xvii].

Neste momento, é bem possível que Tarso Genro e Vinicius Wu, se querem ainda declarar-se socialistas, traem-se com suas próprias palavras, como o incauto que se engana ao contemplar a famosa tela de René Magritte, “A traição das imagens”, e insistir que aquilo que vê é, realmente, um cachimbo, e não a representação de um cachimbo.

Esquecem-se - ou, infelizmente, têm plena consciência disso - que com suas proposições recuperam, nada mais e nada menos, o liberalismo, tal como ele é, com ou sem adjetivações que lhe atribuam qualidades na pretensão ilusória de modificá-lo.

Preocupa-nos, com franqueza, que parte considerável de nosso partido tenha se esquecido, e outra parte deliberadamente abandonado, o que significa uma sociedade dividida entre capitalistas e trabalhadores; que a única igualdade que existe entre as pessoas enquanto a sociedade for dividida desta forma é serem iguais proprietários de mercadorias (respectivamente, dinheiro-capital e força de trabalho), que podem ser trocadas. Neste quesito em particular, poderiam afirmar que é coisa de um “marxismo ortodoxo, economicista e anacrônico”. De fato, é mesmo de suscitar questionamentos. Justamente por isso, manda novamente o rigor nos estendermos mais um pouco.

Quais foram, então, as características centrais do capitalismo do século XIX desvendadas por Karl Marx (1818-1883), as quais ele apontou serem cerne de todas as contradições e disparidades desse sistema, e sobre cujas análise e crítica, inclusive, o Partido dos Trabalhadores se ergueu? A saber: a propriedade privada dos meios sociais de produção e o trabalho assalariado.

Partindo-se da constatação de que ambas as características estão presentes ainda hoje, o que nos deveria levar a pensar, ou imaginar, a possibilidade de um acordo entre capitalistas e trabalhadores, que, mantendo-se IDEALMENTE estável, beneficie ambas as partes permanentemente?

Situemos, portanto, as ideias em seus lugares e épocas e acrescentemos, numa mensagem (esta sim, sincera) a todos/as petistas que nada tem ou contém de novo aquilo que Tarso Genro e Vinicius Wu sustentam. Muito pelo contrário: Tarso Genro e Vinicius Wu traçam subsídios de uma estratégia para o Partido dos Trabalhadores não de disputa com a classe burguesa-capitalista; mas de disputa do próprio projeto dessa classe.

Fica a pergunta: “Como é possível pensar um presente, e um presente bem determinado, com um pensamento elaborado por problemas de um passado bastante remoto e superado?” [xviii]

Assim, a “nova ação estratégica”, proposta ao Partido dos Trabalhadores não responde aos nossos desafios presentes e futuros. A não ser, é claro, que se entenda nesse desafio a necessidade da mais absoluta corrosão de nosso programa. Parece ser o caso de Genro e Wu. Mas não é e nem deve ser o caso de um partido socialista como o PT.